Aba 1

Postado em 29 de Dezembro de 2020 às 15h15

Vendas e empregos crescem em novembro, aponta Acenm/CDL

Economia e mercados (156)
Acenm/CDL Confira o relatório econômico para Nova Mutum referente ao décimo primeiro mês de 2020 Nova Mutum registrou em novembro um saldo positivo de 7 novos postos de trabalho (712 admissões x 705...

Confira o relatório econômico para Nova Mutum referente ao décimo primeiro mês de 2020

Nova Mutum registrou em novembro um saldo positivo de 7 novos postos de trabalho (712 admissões x 705 demissões), impulsionado pelos setores da indústria e comércio, que registraram saldo positivo de 42 e 30, respectivamente. O saldo foi puxado para baixo pela agropecuária, que registrou menos 55 postos de trabalho.

“Isso é reflexo do crescimento da indústria brasileira após o impacto da pandemia, provocado pelo aumento do consumo interno. Era um consumo represado, pois a indústria praticamente parou por 60 dias, mas o consumo, por outro lado, aumentou e foi ainda mais impulsionado pela ajuda emergencial. Quanto ao comércio, já era esperado esse saldo positivo de contratações. Boa parte são trabalhadores temporários para o período de festas, ocasião que aquece de forma natural a movimentação e as vendas”, explica o gerente administrativo da Acenm/CDL, Rodrigo Rigoni.

Já a movimentação do comércio, segundo dados do SPC Brasil, cresceu forte no mês de novembro, rebatendo a queda apresentada em outubro/2020. A alta foi de 9,41% em relação a novembro de 2019. Na relação sazonal que considera o mês anterior (outubro/2020), cresceu 7,09%.

A Acenm/CDL atribui esse crescimento à injeção da primeira parcela do 13º salário, também à ajuda emergencial ainda sendo injetada no comércio e ao período eleitoral que indiretamente é um forte injetor de recursos no mercado local.

Por: Tiago Franz | Jornalista 3621SC | Ascom - Acenm/CDL
Foto: Kacio Henrique/PMNM

Veja também

Endividamento das famílias volta a crescer e atinge 2º maior patamar em 11 anos, aponta CNC05/04 Segundo a pesquisa mensal da CNC, o total de endividados ficou em 67,3% em março, acima dos 66,7% um mês antes. A parcela de famílias endividadas em março atingiu o segundo maior patamar em 11 anos, conforme a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic) da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), que......

Voltar para Notícias

Acesse o regulamento no anexo a seguir:

Nós utilizamos Cookies para trazer uma experiência mais relevante nas suas navegações. Para saber mais acesse nossa Política de Privacidade.