Aba 1

Postado em 27 de Janeiro às 08h41

TJ segue STF e suspende cobrança de taxa de incêndio em MT

Jurídico e Tributário (78)Alertas e Comunicados (101)SEFAZ-MT (13)

Tacin rende R$ 14 milhões por ano aos cofres públicos

Por DIEGO FREDERICI
DO FOLHAMAX


O Órgão Especial do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJ-MT)  uma das instâncias deliberativas do Poder Judiciário Estadual, composta por 13 desembargadores -, suspendeu a cobrança da chamada Taxa de Segurança Contra Incêndio (Tacin).

A cobrança foi instituída pelo Governo do Estado para a prestação de serviços de prevenção, combate e extinção de incêndios do Corpo de Bombeiros Militar (CBM/MT), prestados ou colocados à disposição de unidades imobiliárias, ocupadas ou não.

Os magistrados seguiram por maioria o voto da desembargadora Maria Erotides Kneip, que divergiu do relator, o desembargador Rui Ramos, em julgamento ocorrido no dia 19 de dezembro de 2019.

A magistrada lembrou em seu voto que o próprio Supremo Tribunal Federal (STF), em julgamento ocorrido também no ano de 2019, já havia declarado inconstitucional o art. nº 100 da Lei Estadual nº 4.547/1982 - que institui a Tacin.

"Assim, rendo-me ao entendimento do STF, e revejo meu anterior posicionamento, no qual votei pela constitucionalidade da cobrança da Tacin. Dessa forma, há violação indiscutível de vício material. Com relação ao periculum in mora, importante frisar que a cobrança de taxa de constitucionalidade duvidosa onerará o contribuinte, atingindo diretamente o faturamento das empresas, além da dificuldade de ressarcimento posterior", lembrou a desembargadora.

A ação contra a Tacin foi proposta pela Federação das Indústrias de Mato Grosso (Fiemt), que defende que, independente do pagamento ou não da taxa pelos contribuintes, o Corpo de Bombeiros é obrigado a prestar o serviços de combate a incêndios onde eles ocorrerem.

"A atividade de combate e extinção de incêndios é um serviço universal e não específico e divisível, pois se pegar fogo numa unidade imobiliária de quem não é contribuinte de tal tributo, caberá ao Corpo de Bombeiros combater e extinguir o incêndio, independente do pagamento da referida taxa", defende a Fiemt.

Em outubro de 2019, o ministro do STF, Luíz Roberto Barrroso, negou em caráter monocrático um recurso interposto pelo próprio Governo de Mato Grosso contra uma decisão anterior do órgão que já havia declarado a inconstitucionalidade da cobrança.

Segundo informações da Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz-MT), Mato Grosso deve deixar de arrecadar R$ 14 milhões com o fim da Tacin.

Fonte: MidiaNews

Veja também

Governo de MT debate com setor do comércio reajuste do ICMS e aumento de preços nesta quinta (30)28/01 O objetivo do encontro é esclarecer para o cidadão o que está acontecendo, pois a parte mais lesada com tudo isso são os consumidores Os representantes do setor do comércio de Mato Grosso e o governo do estado têm trocado farpas na imprensa constantemente sobre o aumento do ICMS e o consequente aumento de preços dos produtos no mercado local. Os governo diz......

Voltar para Notícias