Aba 1

Postado em 03 de Dezembro de 2015 às 19h17

SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA: Comércios têm menos de um mês para se adaptar às novas regras

A maioria das empresas ainda não se deu conta da complexidade do processo de adequação

Acenm/CDL A maioria das empresas ainda não se deu conta da complexidade do processo de adequação A partir de 1º de janeiro de 2016, as empresas de todo o Brasil que trabalham com vendas de produtos em geral terão de estar adaptadas ao...

A partir de 1º de janeiro de 2016, as empresas de todo o Brasil que trabalham com vendas de produtos em geral terão de estar adaptadas ao Código Especificador da Substituição Tributária – Cest. A obrigação pode ser conferida no Convênio ICMS nº 92.

O novo Código será composto por sete dígitos e na prática estabelecerá sistemas de padronização e o reconhecimento dos produtos passíveis das regras da substituição tributária e de antecipação de recolhimento do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços - ICMS com o encerramento de tributação, relativos às operações subsequentes.

O Cest deverá ser informado no documento fiscal, independentemente da operação, mercadoria ou bem estarem sujeitos aos regimes de substituição tributária. As empresas que não tiverem o código CEST no XML terão a nota eletrônica rejeitada, conforme definido na Nota Técnica nº 03/2015. Consequentemente, isso pode impactar faturamento e vendas.

O cálculo do ICMS continuará a ser feito de acordo com a legislação estadual, como ocorre atualmente, mas o Cest será o mesmo em todo o País. A ideia do governo é reduzir as autuações fiscais e devolução do produto ou nota fiscal por má interpretação.

Quem tem que se adaptar?

Todos que trabalham com autopeças; bebidas alcoólicas; cervejas, chopes, refrigerantes, águas e outras bebidas; cigarros e outros produtos derivados do fumo; cimentos; combustíveis e lubrificantes; energia elétrica; ferramentas; lâmpadas; máquinas e aparelhos mecânicos, elétricos, eletromecânicos e automáticos; materiais elétricos, de limpeza ou construção e congêneres; medicamentos e outros produtos farmacêuticos para uso humano ou veterinário; pneumáticos, câmaras de ar e protetores de borracha; produtos alimentícios; produtos de higiene pessoal, perfumarias, cosméticos e termômetros; produtos de papelaria; produtos eletrônicos, eletroeletrônicos e eletrodomésticos; rações para animais domésticos, entre outros produtos, terão de se adaptar ao novo regime.

Fonte: Marcelo Simões / De León Comunicações

Veja também

Representantes do Fisco enviam pedido de prioridade para reforma tributária à candidatos do Legislativo28/01 Eleição para presidência do Senado e da Câmara acontecerá em breve e entidades do Fisco pedem atenção especial para reforma tributária sair o quanto antes. A reforma tributária é uma das principais pautas a serem resolvidas pelo Legislativo neste ano. Diante das diversas discussões e propostas para reformulação do sistema......
Quer fazer parte do Programa Empreender?07/07/16 Você conhece o Programa Empreender? Visitou o Stand do Empreender na ExpoMutum? Participou dos sorteios de Prêmios no stand do Empreender? Se você respondeu não para uma dessas perguntas ainda da tempo de fazer parte deste programa......
Diretorias da Acenm/CDL tomaram posse para o biênio 2021/202225/01 Solenidade e jantar foram prestigiados por diretores e autoridades locais A Acenm e a CDL realizaram na noite da última quinta-feira (21), em seu auditório, a cerimônia de posse das novas diretorias e conselhos fiscais de ambas as......

Voltar para Notícias

Acesse o regulamento no anexo a seguir:

Nós utilizamos Cookies para trazer uma experiência mais relevante nas suas navegações. Para saber mais acesse nossa Política de Privacidade.