Aba 1

Postado em 07 de Abril às 08h17

Reedição do programa de preservação de empregos sai "a qualquer momento", diz Guedes

Economia e mercados (125)Jurídico e Tributário (107)

"Estamos renovando o programa de preservação de emprego, a qualquer momento será lançado", disse o ministro

BRASÍLIA - O ministro da Economia, Paulo Guedes, reafirmou nesta terça-feira que a equipe econômica renovará várias medidas de proteção social na esteira da escalada de casos e óbitos em decorrência da pandemia da Covid-19 no país, ressaltando que a reedição do programa BEm, voltado à preservação de empregos formais, sairá em breve.

"Estamos renovando o programa de preservação de emprego, a qualquer momento será lançado. Foi um grande sucesso", afirmou o ministro, em inglês, em videoconferência promovida pelo Itaú com investidores estrangeiros, em referência ao programa que no ano passado ofereceu complementação de renda a trabalhadores que tiveram redução temporária de salário e jornada ou suspensão de contrato.

Guedes lembrou que já foi anunciada prorrogação do pagamento de impostos (para o Simples Nacional) e que também haverá antecipação do pagamento do 13º para aposentados.

"Estamos repetindo o protocolo da última crise (primeira onda), mas com muito mais foco desta vez. Temos também substancialmente menos impactos fiscais que nós tínhamos antes", acrescentou.

Guedes disse ter observado uma "surpresa" na atividade econômica nos primeiros dois meses deste ano, com a criação de novos postos de trabalho no mercado formal, bem como dados positivos para arrecadação no bimestre e no mês de fevereiro.

O país abriu 401.639 vagas formais de trabalho em fevereiro, segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), e 258.141 vagas em janeiro.

Já do lado da arrecadação, no acumulado dos dois primeiros meses do ano, a arrecadação avançou 0,81% em termos reais, a 308 bilhões de reais, melhor resultado para o período desde 2000.

"Nós temos bons sinais com respeito a como a economia está se comportando, principalmente considerando os meses de janeiro e fevereiro, em que nós não tínhamos nenhum tipo de concessão financeira sendo fornecida e ainda sim apresentou resultados muito bons."

Fonte: Infomoney

Veja também

Inadimplência volta a subir principalmente entre pequenas empresas, com fim das medidas de auxílio28/01 Inadimplência volta a subir principalmente entre pequenas empresas, com fim das medidas de auxílio Pesquisa mostra que 68% dos pequenos negócios têm dívidas em aberto ou contas atrasadas. Situação deve se agravar sem extensão de benefícios e alívio tributário, dizem economistas. As medidas de auxílio a empresas chegaram ao fim,......

Voltar para Notícias

Nós utilizamos Cookies para trazer uma experiência mais relevante nas suas navegações. Para saber mais acesse nossa Política de Privacidade.