Aba 1

Postado em 13 de Abril de 2020 às 10h21

Projeção para PIB 2020 sai de -1,18% para -1,96%, aponta Focus

Economia e mercados (144)

Os efeitos da pandemia do novo coronavírus sobre a economia brasileira fizeram os economistas do mercado financeiro cortarem novamente suas projeções para o Produto Interno Bruto (PIB) em 2020. Conforme o Relatório de Mercado Focus, a expectativa para a economia este ano passou de retração de 1,18% para queda de 1,96%. Há quatro semanas, a estimativa era de alta de 1,68%.

Para 2021, o mercado financeiro alterou a previsão do Produto Interno Bruto (PIB), de elevação de 2,50% para 2,70%. Quatro semanas atrás, estava em 2,50%.

Em março, na esteira da pandemia, o BC atualizou, por meio do Relatório Trimestral de Inflação (RTI), sua projeção para o PIB em 2020, de alta de 1,8% para variação zero. O próprio BC, no entanto, já reconheceu que o cenário está se alterando rapidamente e que, por isso, a projeção do RTI não reflete, necessariamente, a situação atual.

No Focus divulgado nesta segunda-feira, a projeção para a produção industrial de 2020 foi de alta de 0,50% para recuo de 1,42%. Há um mês, estava em 1,63%. No caso de 2021, a estimativa de crescimento da produção industrial passou de 2,70% para 2,95%, ante 2,50% de quatro semanas antes.

A pesquisa Focus mostrou ainda que a projeção para o indicador que mede a relação entre a dívida líquida do setor público e o PIB para 2020 foi de 58,10% para 60,00%. Há um mês, estava em 56,50%. Para 2021, a expectativa foi de 60,00% para 60,73%, ante 57,80% de um mês atrás.

Resultado primário

O Focus trouxe ainda forte mudança na projeção para o resultado primário do governo em 2020. A relação entre o déficit primário e o PIB este ano foi de 1,65% para 4,14%. No caso de 2021, foi de 0,80% para 1,00%. Há um mês, os porcentuais estavam em 1,15% e 0,56%, respectivamente.

Já a relação entre déficit nominal e PIB em 2020 foi de 6,90% para 9,02%, conforme as projeções dos economistas do mercado financeiro. Para 2021, foi de 5,00% para 4,95%. Há quatro semanas, estas relações estavam em 5,50% e 4,97%, nesta ordem.

O resultado primário reflete o saldo entre receitas e despesas do governo, antes do pagamento dos juros da dívida pública. Já o resultado nominal reflete o saldo já após as despesas com juros.

Os avanços nas projeções refletem a expectativa de que, com o aumento das despesas do governo durante a pandemia do novo coronavírus, o País terá um cenário fiscal ainda mais difícil.

Balança comercial

Os economistas do mercado financeiro alteraram a projeção para a balança comercial em 2020 na pesquisa Focus, de superávit comercial de US$ 34,10 bilhões para US$ 35,00 bilhões. Um mês atrás, a previsão era de US$ 36,10 bilhões. Para 2021, a estimativa de superávit seguiu em US$ 35,00 bilhões. Há um mês, estava em US$ 34,00 bilhões.

Na estimativa mais recente do BC, o saldo positivo de 2020 ficará em US$ 33,5 bilhões. Esta projeção foi atualizada no Relatório Trimestral de Inflação divulgado em março.

No caso da conta corrente, a previsão contida no Focus para 2020 foi de déficit de US$ 52,34 bilhões para US$ 45,45 bilhões, ante US$ 59,00 bilhões de um mês antes. Para 2021, a projeção de rombo foi de US$ 58,50 bilhões para US$ 52,85 bilhões. Um mês atrás, o rombo projetado era de US$ 60,00 bilhões.

O BC projeta déficit em conta de US$ 41,0 bilhões em 2020.

Para os analistas consultados semanalmente pelo BC, o ingresso de Investimento Direto no País (IDP) será suficiente para cobrir o resultado deficitário nestes anos. A mediana das previsões para o IDP em 2020 foi de US$ 76,50 bilhões para US$ 73,00 bilhões. Há um mês, estava em US$ 80,00 bilhões. Para 2021, a expectativa seguiu em US$ 80,0 bilhões, ante US$ 83,75 bilhões de um mês antes. O BC projeta IDP de US$ 60,0 bilhões em 2020.

FONTE: InstoÉ Dinheiro

Veja também

Bolsonaro sanciona MP que permite redução de jornada e salário07/07/20 O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sancionou hoje a MP (medida provisória) 936, que criou o Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda. A MP permite às empresas suspender contratos ou reduzir jornadas e salários de funcionários até o fim do ano, enquanto durar o estado de calamidade pública decretado por conta da pandemia do novo......

Voltar para Notícias

Nós utilizamos Cookies para trazer uma experiência mais relevante nas suas navegações. Para saber mais acesse nossa Política de Privacidade.