Aba 1

Postado em 03 de Fevereiro de 2015 às 12h44

Fraudes causam prejuízos financeiros e morais a sua empresa

Serviço de consulta disponibilizado pelo SPC Brasil ajuda empresas associadas a minimizar esse risco com clientes e fornecedores

Acenm/CDL Serviço de consulta disponibilizado pelo SPC Brasil ajuda empresas associadas a minimizar esse risco com clientes e fornecedores Fraudes nas empresas são mais comuns do que muitos imaginam. As formas de golpes são...

Fraudes nas empresas são mais comuns do que muitos imaginam. As formas de golpes são variadas, podendo ocorrer tanto internamente na empresa como também em suas relações comerciais com fornecedores e clientes.

Desafiando o senso comum, as fraudes podem acontecer em qualquer tipo empresa, independentemente do tamanho da organização, sendo até mais corriqueiras nas de pequeno porte, já que nestas, o nível de proximidade entre funcionários e gerência é bem elevado, o que potencializa as chances de ocorrência.

Internamente, a vulnerabilidade de controles internos aliado à falta de processos bem alinhados são cenários propícios para que funcionários mal intencionados encontrem oportunidades para cometer fraudes, dentre as mais comuns estão cheques forjados, relatórios de despesas adulterados, notas fiscais frias de fornecedores, entre outros golpes.

Ter controles internos mais rigorosos e processos bem alinhados ajudam a minimizar a possibilidade de fraudes, mas existem outras práticas simples que as empresas podem adotar com o intuito de diminuir essa exposição, como analisar criteriosamente suas contratações e relações com fornecedores e parceiros.

Um tipo de fraude comum no mundo empresarial e que causa sérios transtornos para as empresas, são aquelas ocasionadas por clientes ou fornecedores que forjam ou adulteram documentação para fazer compras e solicitar créditos com o intuito de não efetuar o pagamento ou entregar o que foi negociado. Nesses casos não basta apenas obter informações sobre a empresa, mas é fundamental ter a certeza de que os dados passados por ela são realmente verídicos.

“Confirmar se o CNPJ informado está mesmo relacionado com o endereço ou o telefone de contato, fazer consultas de ocorrência de protestos, cheques sem fundos ou registros em bureaux de créditos, como o SPC Brasil, por exemplo, dá mais segurança ao contratante e minimiza a possibilidade de fechar o negócio com uma empresa fraudulenta”, argumenta Silvia Cravo, Gerente de Produtos e Inteligência de Mercado do SPC Brasil.

Outro ponto que muitas vezes não é considerado por quem está fechando o contrato é obter informações sobre o proprietário da empresa, como porcentual de participação no quadro societário ou se possuem participações em outras companhias. “Muitas vezes o CNPJ da empresa pode não ter informação que a desabone, mas caso seus proprietários tenham algum tipo de restrição creditícia, talvez isso seja um indicativo para que se tome cuidados adicionais com aquela empresa ou até mesmo desistir da negociação” reforça Silvia.

Solução simples e prática

Para facilitar esse trabalho de análise, o SPC Brasil disponibiliza aos seus Associados o produto Top Jurídico, que através da inserção do CNPJ oferece informações como consultas realizadas por empresas, registros no SPC de dívidas vencidas e não pagas, protestos e ações em nome da empresa, quadro de sócios de administradores, além de outros dados que auxiliam e facilitam o trabalho da empresa contratante na análise do seu futuro fornecedor ou cliente, dando mais segurança no fechamento do negócio.

Os especialistas do SPC Brasil explicam que esse tipo de consulta é fundamental, porque além de dar mais segurança para o fechamento da negociação, minimizando a possibilidade de fraudes, ele gera economia no processo de concessão de crédito e fechamento com fornecedores, pois o serviço é simples, fácil de consultar e constantemente atualizado.

Para saber mais ou adquirir esse e outros produtos e serviços, o empresário interessado deve se associar ao SPC Brasil por meio de alguma Entidade, como CDLs (Câmara de Dirigentes Lojistas) ou demais representações locais. Acesse o site: www.spcbrasil.org.br

Dicas para minimizar a possibilidade de fraudes de clientes e fornecedores
- Pesquise a situação cadastral e creditícia do CNPJ da empresa e dos sócios proprietários
- Peça referências sobre a empresa e consulte-as
- No caso de fornecedores, desconfie de preços muito mais baixos do que a concorrência
- Elabore um contrato por escrito


Práticas que ajudam a minimizar exposição a fraudes
- Não deixar atividades como conciliações de contas bancárias, preenchimento de cheques e depósitos sob responsabilidade de um único funcionário;
- Ficar atento a férias da equipe financeira, já que geralmente um funcionário que comete fraudes evitará períodos grandes de ausência, para que o crime não seja descoberto;
- Analisar periodicamente a relação de fornecedores e as transações envolvidas;
- Manter processos criteriosos de seleção e contratações, principalmente para o departamento financeiro e os que envolvam relacionamento com fornecedores e clientes;
- Providenciar auditorias sazonais em processos, mesmo antes da suspeita de alguma fraude.


______________________________
Fonte: SPC Brasil

Veja também

INDICADOR DE PROPENSÃO AO CONSUMO MOSTRA QUE APENAS 15% DOS CONSUMIDORES TIVERAM SOBRA DE DINHEIRO EM MARÇO11/04/1763% dos consumidores planejam cortar os gastos em abril. Cartão de crédito é a modalidade mais utilizada em fevereiro O novo Indicador de Uso de Crédito e de Propensão ao Consumo, calculado pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas (CNDL), aponta que somente 15% dos consumidores disseram ter ficado no azul em março, com sobra de dinheiro, sendo que 12% pretendem poupar a sobra e 4% pretendem gastar o dinheiro......
Decreto municipal estende horário do comércio no final de ano18/11/15 Com o objetivo de fortalecer o comércio local durante o período de final de ano, época em que tradicionalmente acontece um aquecimento nas vendas, o prefeito Adriano Pivetta assinou o decreto 107/2015, que altera o horário de......

Voltar para Notícias