Aba 1

Postado em 23 de Outubro de 2020 às 16h47

Falta matéria-prima para 68% da indústria retomar produção após a pandemia

Economia e mercados (125)

Em processo de retomada das atividades após o auge da crise econômica do coronavírus, o setor industrial brasileiro enfrenta agora a falta de matéria-prima e o aumento de preço dos produtos necessários para a produção.

De acordo com dados de sondagem especial da CNI (Confederação Nacional da Indústria), 68% das empresas estão com dificuldade para comprar matérias-primas no mercado nacional. Dentre as empresas que utilizam insumos importados regularmente, 56% relataram dificuldade.

Além disso, 82% perceberam alta nos preços, sendo que 31% falam em alta acentuada. A pesquisa contou com a participação de 1.855 empresas, entre 1º e 14 de outubro, em 27 setores das indústrias de transformação e extrativa.

Retomada da economia e alta do dólar


Segundo o presidente da CNI, Robson de Andrade, as empresas optaram por reduzir seus estoques para enfrentar a queda no faturamento e o difícil acesso ao capital de giro nos primeiros meses da crise.

"A economia reagiu em uma velocidade acima da esperada. Assim, tivemos um descompasso entre a oferta e a procura de insumos. E tanto produtores quanto fornecedores estavam com os estoques baixos."

"Além disso, temos a forte desvalorização do real, que contribuiu para o aumento do preço dos insumos importados", afirmou o presidente da CNI.

Dificuldade em atender os clientes A pesquisa aponta que 44% das empresas estão com problemas para atender seus clientes. Os motivos indicados foram:

  • Falta de estoques (47%)
  • Procura maior que a capacidade de produção (41%)
  • Incapacidade de aumentar a produção (38%)
  • Problemas de logística (13%)
  • Inadimplência dos clientes (4%)
  • Outros (2%)

Normalização só em 2021 Do total de empresas que não conseguem aumentar a produção, 76% alegaram que não conseguem ampliá-la pela falta de matéria-prima. E o problema deve durar pelo menos mais três meses.

Mais da metade (55%) das empresas acreditam que a capacidade de atender a procura voltará ao normal apenas em 2021.

Em 10 dos 27 setores considerados, ao menos metade das empresas está com dificuldades para atender os pedidos. O percentual de empresas que encontram dificuldades para atender seus clientes é maior nos setores móveis (70%), têxteis (65%) e produtos de material plástico (62%).

Pequenas empresas são mais afetadas

A falta de matéria-prima para a linha de produção é mais grave entre as empresas de pequeno porte. Nesse segmento, 70% foram afetadas pela falta de insumos, ante 66% nas grandes.

O percentual de empresas menores que afirmam enfrentar muita dificuldade é maior, alcançando 28% entre as pequenas empresas e 27% entre as médias.

Fonte: Portal UOL

Veja também

Reedição do programa de preservação de empregos sai "a qualquer momento", diz Guedes07/04 "Estamos renovando o programa de preservação de emprego, a qualquer momento será lançado", disse o ministro BRASÍLIA - O ministro da Economia, Paulo Guedes, reafirmou nesta terça-feira que a equipe econômica renovará várias medidas de proteção social na esteira da escalada de casos e óbitos em decorrência da......
Acenm/CDL cancela Expocomércio 202030/04/20Entidade espera retomar o evento em 2021, após a normalização do cenário econômico hoje abalado pela Covid-19 Após reunião virtual na manhã de hoje (30), as diretorias da Associação Comercial e Empresarial de Nova Mutum (Acenm) e da Câmara de Dirigentes Lojistas de Nova Mutum (CDL) decidiram, por unanimidade, cancelar a......

Voltar para Notícias

Nós utilizamos Cookies para trazer uma experiência mais relevante nas suas navegações. Para saber mais acesse nossa Política de Privacidade.