Aba 1

Postado em 17 de Novembro de 2016 às 15h50

Empresários do setor de eletrodomésticos avançam nas decisões sobre a Reforma Tributária

Acenm/CDL Na manhã da última quarta-feira, 16, o secretário de Estado de Fazenda, Seneri Paludo reuniu-se com representantes de empresas do setor de eletrodomésticos para discutir a Reforma Tributária. A...

Na manhã da última quarta-feira, 16, o secretário de Estado de Fazenda, Seneri Paludo reuniu-se com representantes de empresas do setor de eletrodomésticos para discutir a Reforma Tributária. A reunião foi solicitada pelo presidente da Federação das Associações Comerciais e Empresariais de Mato Grosso - FACMAT, Jonas Alves, que também esteve presente ao encontro, assim como o deputado Oscar Bezerra, coordenador-geral da Frente Parlamentar em Defesa do Setor Produtivo de Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Mato Grosso e vários outros deputados. Também participaram da reunião o presidente da Rede Martinello, Osvaldo Martinello, bem como os gestores da Ricardo Eletro, Gazin, Eletrokasa e Rio Móveis.

O secretário começou a reunião fazendo um panorama geral da Reforma Tributária e disse que um dos setores que sofrerá maior impacto é justamente o de eletrodomésticos. “Muitas empresas deste segmento eram enquadradas no PRODEIC e agora vão seguir a regra normal, então com certeza haverá algum aumento de tributo para elas”, explicou.

O presidente da FACMAT, Jonas Alves falou sobre sua preocupação com o futuro das empresas no estado. “Precisamos chegar a um denominador que seja bom tanto para os empresários, quanto para o governo. Não podemos deixar que se crie uma situação que inviabilize o setor, que é um dos maiores empregadores do estado”, comentou.

Depois de muita discussão, empresários e governo chegaram bastante perto de um entendimento. De acordo com Seneri, a proposta de alíquota que o segmento fez será analisada pela equipe técnica da SEFAZ e discutida com os deputados, para decidirem se é viável.

Para Osvaldo Martinello, a Reforma Tributária do jeito que está proposta é altamente positiva para o estado, à medida que há um recomeço na legislação tributária, que é necessário. “Alguns segmentos sairão mais penalizados, como é o caso do nosso, porque estávamos enquadrados no PRODEIC, fomos desenquadrados e vamos entrar na nova legislação. A nossa carga tributária vai acabar multiplicada mais ou menos por três e isso vai impactar nos preços, sem dúvida nenhuma, o que vai acarretar a diminuição do movimento econômico. Vamos ter que replanejar nosso negócio para nos adaptarmos a essa nova realidade. Ainda não temos um estudo conclusivo de quanto isso vai impactar na empresa. De qualquer forma, o nosso segmento é o que terá o maior incremento na arrecadação para o estado”, concluiu.

Fonte: Assessoria de imprensa ACC / FACMAT
Foto: Assessoria de imprensa ACC / FACMAT

Veja também

Convênio entre Acenm/CDL e Sicredi já atendeu 64 associados com R$ 2,6 mi11/08/20 Além de crédito a juro baixo, Fomenta Varejo dá benefícios como maquininha de cartão com custo baixo, operações de Ted e Doc ilimitadas e canal gratuito de compra e venda Assinado pela Acenm/CDL e pela cooperativa Sicredi Ouro Verde MT no dia 18 de março, no início das medidas de contenção à epidemia de Covid-19, o......
Acenm/CDL convoca todos os associados para Assembleia Geral Extraordinária24/10/16 A Associação Comercial e Empresarial de Nova Mutum e Câmara de Dirigentes Lojistas convocam todos os associados para se reunirem em Assembleia Geral Extraordinária, a realizar-se na sua sede social, hoje, dia 24 outubro de 2016,......

Voltar para Notícias

Nós utilizamos Cookies para trazer uma experiência mais relevante nas suas navegações. Para saber mais acesse nossa Política de Privacidade.