Aba 1

Postado em 04 de Maio às 14h46

Comércio mutuense e Ministério Público abordam a Covid-19 em reunião

Jurídico e Tributário (78)Alertas e Comunicados (103)Economia e mercados (102)

Acenm/CDL reuniu seus diretores para alinhar políticas de controle à doença junto ao promotor de Justiça Local e autoridades municipais

Acenm/CDL Acenm/CDL reuniu seus diretores para alinhar políticas de controle à doença junto ao promotor de Justiça Local e autoridades municipais Cerca de 30 diretores da Acenm e da CDL Nova Mutum participaram de uma reunião com o Promotor...

Cerca de 30 diretores da Acenm e da CDL Nova Mutum participaram de uma reunião com o Promotor de Justiça Henrique de Carvalho Pugliesi na manhã desta segunda-feira (04/05), no auditório das entidades, para tratar da legislação relacionada à prevenção da Covid-19, especialmente no que diz respeito ao setor empresarial. Participaram também a funcionária da Secretaria Municipal de Saúde, Graciele Festl Claas, e o secretário municipal de Indústria, Comércio e Turismo, Jimmy Huppes. Para realizar a reunião, a Acenm/CDL tomou os cuidados exigidos, como manter distância de dois metros entre as cadeiras.

“Ciente da importância de todo o comércio agir corretamente no controle da doença, a Acenm e a CDL fizeram questão de atender ao pedido do promotor para esta reunião, pois a intenção das entidades é que o comércio permaneça aberto, e para isso nós temos que fazer a nossa parte”, disse o presidente da CDL, Roberto Giequelin.

O principal assunto da reunião foi a obrigatoriedade do uso de máscaras por parte de colaboradores e clientes nos estabelecimentos. Diante da dinâmica da doença e da legislação a ela voltada, muitas dúvidas ainda acometem empresários e a população em geral. Nesse sentido, Dr. Henrique reforçou a necessidade de que as empresas exijam o uso de máscara aos clientes e colaborem para uma “mudança cultural”. O promotor reconhece que a cultura do comércio é receber as pessoas de forma amigável, mas salienta que é preciso informar os clientes sobre a lei e exigir a máscara.

Conforme a Lei Estadual nº 11.110/2020, a partir desta terça-feira (05/05) os órgãos fiscalizadores (Polícia Militar, o Procon e Vigilância Sanitária) já podem aplicar multas, desde que a empresa já tenha sido notificada com antecedência e tenha reincidido no descumprimento da lei. “As empresas não estão obrigadas a fornecer máscaras aos clientes, e sim a não permitir que estes adentrem o estabelecimento sem máscara”, lembra Rodrigo Rigoni, gerente administrativo da Acenm/CDL e membro do Comitê Municipal de Enfrentamento ao Covid-19.

Dispostos a colaborar com todas as medidas, os empresários presentes deram sugestões e relataram casos frequentes em seus estabelecimentos. Muitos reclamaram da relutância de muitos clientes em seguir as normas, entre outras dificuldades enfrentadas no cotidiano. “Nesse sentido, a Acenm/CDL pede mais uma vez à população que compreenda e faça a sua parte para que o comércio não precise fechar as portas novamente e a comunidade não seja mais impactada economicamente”, diz o presidente da Acenm, Joelmir Faccio.

A odontóloga Graciele Festl Class repassou orientações sobre o correto uso das máscaras, para que se evitem erros comuns. Um dos erros mais recorrentes diz respeito ao manuseio da máscara. Deve-se evitar contato das mãos com a parte frontal da máscara, tocando apenas as extremidades que servem para prender a máscara ao rosto. Cada tipo de máscara tem especificidades como o tempo de uso. Máscaras de tecido, por exemplo, podem ser usadas por até três horas e depois substituídas por outras. Estas máscaras suportam até 30 lavagens. Mais detalhes sobre o correto uso das máscaras estão disponíveis no portal da Prefeitura de Nova Mutum, neste link.

Por: Tiago Franz | Jornalista 3621SC

Veja também

MP 936/2020 institui o Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda03/04Empresas têm liberdade de aderir ou não ao programa Foi publicada nesta madrugada a MP 936, de 01.04.2020, que institui o programa emergencial de manutenção de emprego e renda, como forma de amenizar os impactos causados pela pandemia COVID-19. A referida norma estabelece o pagamento de um Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e da Renda e permite redução de jornadas e salários e a suspensão......

Voltar para Notícias