Aba 1

Postado em 26 de Agosto de 2016 às 11h09

9 Tendências irreversíveis para o varejo do futuro

Acenm/CDL Apesar de temas inovadores estarem na pauta dos varejistas o tempo todo, um novo estudo aponta que muito do que se diz está ficando apenas na teoria e não chega a prática. Segundo o “Trendme”, uma...

Apesar de temas inovadores estarem na pauta dos varejistas o tempo todo, um novo estudo aponta que muito do que se diz está ficando apenas na teoria e não chega a prática. Segundo o “Trendme”, uma análise de tendências de mercado realizada pela consultoria Dexi Marketing, apenas quatro entre dez grandes empresas do varejo estão voltadas ao futuro e à inovação.

Cerca de 190 empresas foram analisadas para a realização da pesquisa, que levou 18 meses para ser construída levando em consideração os mercados do Brasil, Estados Unidos, Europa e sudeste da Ásia.

O estudo aponta que 62% das grandes empresas perderão as lideranças do seu segmento de mercado até 2030. O principal motivo, indicado pela pesquisa, será a falta de acompanhamento das tendências e mudanças do mercado. 

O estudo identificou tendências que vão desde a mudança na forma como as pessoas vivem, trabalham, compram até previsões específicas para segmentos como alimentação, moda, tecnologia, design e outros. Confira:

1- Um novo perfil: saudável
A ideia de “geração saúde” será de grande importância daqui para frente, aponta o executivo. “Identificamos que o mercado de alimentação saudável continuará crescendo e chegará a 21% do total em 2020. Mas a principal tendência do setor não é alimentação saudável, ela não está relacionada com a composição dos alimentos, mas com a forma como as pessoas se relacionam com eles. O centro das atenções está mudando e terá novos critérios de avaliação pelo mercado. A inovação nesse segmento será muito mais complexa”.

2- Um novo tipo de moda
“O Techno Fashion chega com potencial de provocar mudanças significativas no mercado em pouquíssimo tempo, e não estamos falando de tecidos”, destaca Barbi. “As principais mudanças estarão relacionadas com a forma como as pessoas usam a moda, vários referenciais novos serão incorporados, e com as mudanças nos processos produtivos de roupas e acessórios”. O comportamento do público será um fator definitivo.

3- Uma vida mais natural

Com tanto destaque para a sustentabilidade, não tem como as empresas fingirem que não estão vendo. “A influência da ‘natureza’ na decisão de compra dos consumidores será mais próxima do controle e uso dos recursos naturais. As pessoas estão mudando o foco de atenção”, explica o executivo.

4- Vida social
“Imagine que o poder de influência que o Vaticano levou um milênio para alcançar, as redes sociais conquistaram em pouco mais de uma década”, define Barbi. Todas as plataformas sociais conquistaram o público rapidamente e fazem grande diferença no relacionamento dos clientes com as marcas – não podem ser ignoradas. “A era digital está transformando tudo ao nosso redor, principalmente a forma como nos relacionamos. Campanhas de marketing mais efetivas utilizarão mídias diferentes das tradicionais com novas métricas de avaliação de resultado”, complementa.

5- Um por um
O executivo destaca que a personalização será um fator chave. “Os clientes são únicos e a customização é uma das grandes fronteiras para o varejo. Os consumidores querem adaptar os produtos às suas necessidades e a tecnologia é um grande viabilizador”.

6- Intimidade
“Mais do que vender produtos e serviços, grandes marcas irão criar e gerenciar relacionamentos com os consumidores”, aponta o especialista. Em sua visão, será mais vantajoso para as empresas extrair valor das relações com os clientes do que simplesmente vender algo a alguém. “As relações comerciais se tornarão mais complexas e vantajosas”, diz.

7- Cross business
“Boa parte da tecnologia que usamos diariamente é relativamente nova, ainda estamos assimilando o potencial de negócios com tantas novidades. Prepara-se para fazer negócios online fora das lojas online”, garante.

8- Todos online
Barbi define que não dá para correr do mundo digital, afinal, todos estão lá. “Em 2020 teremos mais de 4 bilhões de consumidores online. A internet terá sua atuação ampliada, muito mais produtos e ofertas estarão disponíveis. É melhor se preparar para gerar valor online e não apenas o volume”, aponta.

9- Big Data
Entender o consumidor não é mais um grande desafio devido a todas as ferramentas disponíveis hoje. No entanto, demanda estratégia. “A vida na era digital constrói uma enorme e muito valiosa corrente de dados dos clientes. As pessoas deixam rastros digitais por onde passam. Um varejista com visão no futuro precisará de poucas pistas para antecipar o comportamento do consumidor e criar novas oportunidades de venda”, pontua.


Fonte: Portal NOVAREJO.

Veja também

Comércio mutuense e Ministério Público abordam a Covid-19 em reunião04/05/20Acenm/CDL reuniu seus diretores para alinhar políticas de controle à doença junto ao promotor de Justiça Local e autoridades municipais Cerca de 30 diretores da Acenm e da CDL Nova Mutum participaram de uma reunião com o Promotor de Justiça Henrique de Carvalho Pugliesi na manhã desta segunda-feira (04/05), no auditório das entidades, para tratar da legislação relacionada à prevenção da Covid-19, especialmente no que diz respeito ao setor empresarial. Participaram também a......
Redesim agiliza pedidos de abertura de empresas22/05/20 Em abril, a maioria dos processos de abertura de empresas foram realizados em menos de três dias. No mês de abril, mais de 70% dos processos de abertura de empresas e negócios no País foram realizados em menos de três......

Voltar para Notícias

Nós utilizamos Cookies para trazer uma experiência mais relevante nas suas navegações. Para saber mais acesse nossa Política de Privacidade.