Aba 1

Postado em 26 de Agosto de 2016 às 11h09

9 Tendências irreversíveis para o varejo do futuro

Acenm/CDL Apesar de temas inovadores estarem na pauta dos varejistas o tempo todo, um novo estudo aponta que muito do que se diz está ficando apenas na teoria e não chega a prática. Segundo o “Trendme”, uma...

Apesar de temas inovadores estarem na pauta dos varejistas o tempo todo, um novo estudo aponta que muito do que se diz está ficando apenas na teoria e não chega a prática. Segundo o “Trendme”, uma análise de tendências de mercado realizada pela consultoria Dexi Marketing, apenas quatro entre dez grandes empresas do varejo estão voltadas ao futuro e à inovação.

Cerca de 190 empresas foram analisadas para a realização da pesquisa, que levou 18 meses para ser construída levando em consideração os mercados do Brasil, Estados Unidos, Europa e sudeste da Ásia.

O estudo aponta que 62% das grandes empresas perderão as lideranças do seu segmento de mercado até 2030. O principal motivo, indicado pela pesquisa, será a falta de acompanhamento das tendências e mudanças do mercado. 

O estudo identificou tendências que vão desde a mudança na forma como as pessoas vivem, trabalham, compram até previsões específicas para segmentos como alimentação, moda, tecnologia, design e outros. Confira:

1- Um novo perfil: saudável
A ideia de “geração saúde” será de grande importância daqui para frente, aponta o executivo. “Identificamos que o mercado de alimentação saudável continuará crescendo e chegará a 21% do total em 2020. Mas a principal tendência do setor não é alimentação saudável, ela não está relacionada com a composição dos alimentos, mas com a forma como as pessoas se relacionam com eles. O centro das atenções está mudando e terá novos critérios de avaliação pelo mercado. A inovação nesse segmento será muito mais complexa”.

2- Um novo tipo de moda
“O Techno Fashion chega com potencial de provocar mudanças significativas no mercado em pouquíssimo tempo, e não estamos falando de tecidos”, destaca Barbi. “As principais mudanças estarão relacionadas com a forma como as pessoas usam a moda, vários referenciais novos serão incorporados, e com as mudanças nos processos produtivos de roupas e acessórios”. O comportamento do público será um fator definitivo.

3- Uma vida mais natural

Com tanto destaque para a sustentabilidade, não tem como as empresas fingirem que não estão vendo. “A influência da ‘natureza’ na decisão de compra dos consumidores será mais próxima do controle e uso dos recursos naturais. As pessoas estão mudando o foco de atenção”, explica o executivo.

4- Vida social
“Imagine que o poder de influência que o Vaticano levou um milênio para alcançar, as redes sociais conquistaram em pouco mais de uma década”, define Barbi. Todas as plataformas sociais conquistaram o público rapidamente e fazem grande diferença no relacionamento dos clientes com as marcas – não podem ser ignoradas. “A era digital está transformando tudo ao nosso redor, principalmente a forma como nos relacionamos. Campanhas de marketing mais efetivas utilizarão mídias diferentes das tradicionais com novas métricas de avaliação de resultado”, complementa.

5- Um por um
O executivo destaca que a personalização será um fator chave. “Os clientes são únicos e a customização é uma das grandes fronteiras para o varejo. Os consumidores querem adaptar os produtos às suas necessidades e a tecnologia é um grande viabilizador”.

6- Intimidade
“Mais do que vender produtos e serviços, grandes marcas irão criar e gerenciar relacionamentos com os consumidores”, aponta o especialista. Em sua visão, será mais vantajoso para as empresas extrair valor das relações com os clientes do que simplesmente vender algo a alguém. “As relações comerciais se tornarão mais complexas e vantajosas”, diz.

7- Cross business
“Boa parte da tecnologia que usamos diariamente é relativamente nova, ainda estamos assimilando o potencial de negócios com tantas novidades. Prepara-se para fazer negócios online fora das lojas online”, garante.

8- Todos online
Barbi define que não dá para correr do mundo digital, afinal, todos estão lá. “Em 2020 teremos mais de 4 bilhões de consumidores online. A internet terá sua atuação ampliada, muito mais produtos e ofertas estarão disponíveis. É melhor se preparar para gerar valor online e não apenas o volume”, aponta.

9- Big Data
Entender o consumidor não é mais um grande desafio devido a todas as ferramentas disponíveis hoje. No entanto, demanda estratégia. “A vida na era digital constrói uma enorme e muito valiosa corrente de dados dos clientes. As pessoas deixam rastros digitais por onde passam. Um varejista com visão no futuro precisará de poucas pistas para antecipar o comportamento do consumidor e criar novas oportunidades de venda”, pontua.


Fonte: Portal NOVAREJO.

Veja também

Dívidas com bancos representam mais da metade das pendências de negativados, aponta indicador CNDL/SPC Brasil18/11/19 Número de débitos em atraso cai 2,34%; cresce número de devedores entre a população mais idosa. Nordeste é única região a registrar queda de brasileiros com restrição de CPFs, que recuou 1,00% Dados apurados pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito......
Mutirão fiscal dará descontos de até 75% em multas e juros31/10/19 Evento ocorrerá durante todo o mês de novembro, na Arena Pantanal, de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h, sem intervalo para almoço A partir do dia 1º de novembro, contribuintes com dívidas fiscais e tributárias, inscritas ou não em dívida ativa, poderão......

Voltar para Notícias