Aba 1

Postado em 09 de Novembro de 2020 às 09h01

Nova Mutum: geração de empregos e vendas do comércio mantêm saldo positivo

Economia e mercados (144)
Acenm/CDL Relatório do Caged de setembro aponta 157 novos postos de trabalho no município e SPC Brasil sinaliza alta de 1,48% nas vendas do comércio O Brasil registrou em setembro o saldo de 313.564 novos postos de...

Relatório do Caged de setembro aponta 157 novos postos de trabalho no município e SPC Brasil sinaliza alta de 1,48% nas vendas do comércio

O Brasil registrou em setembro o saldo de 313.564 novos postos de trabalho. Foram 1.379.509 admissões frente a 1.065.945 desligamentos, conforme informou o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). Em MT o saldo também foi positivo: 5.256 empregos criados, sendo 31.572 admissões e 26.316 desligamentos. O saldo foi puxado principalmente pelo comércio, que fechou setembro com 2.256 empregos a mais.

“Isso reflete o momento de retomada econômica, principalmente nos grandes centros, como Cuiabá e Várzea Grande, que haviam sofrido muito com as medidas restritivas de combate ao novo coronavírus”, comenta o presidente da Acenm, Joelmir Faccio.

NOVA MUTUM – O município de Nova Mutum acompanhou a tendência do Estado e registrou saldo positivo de 157 novos postos de trabalho. Foram 874 admissões frente a 717 desligamentos. Destaque para o comércio, que fechou com saldo positivo de 66 novos postos de trabalho.

“Numa primeira análise isso se deve ao resultado relativamente bom do mês de setembro, que, conforme dados do SPC Brasil, registrou um aumento de 1,48% nas vendas em relação ao mesmo mês do ano passado”, explana o gerente administrativo da Acenm/CDL, Rodrigo Rigoni.

Já com relação ao mês anterior (agosto/2020), que foi aquecido pelo Dia dos Pais, as vendas de setembro caíram 3,84%. A desaceleração já era esperada em setembro. “Ainda assim o mês foi bom frente ao mesmo período de 2019 e nota-se que as medidas de estímulo, como foi o caso da ajuda emergencial, contribuíram para esse número. Aguardamos com naturalidade que outubro também apresente variação negativa, uma vez que a ajuda emergencial diminuiu e também porque as famílias estão se preparando para o período de festividades de final de ano”, analisa o presidente da CDL, Roberto Giequelin.

Por: Tiago Franz | Jornalista 3621SC | Ascom - Acenm/CDL

Veja também

Governo estuda "imposto temporário" para bancar novo auxílio emergencial10/02 A ideia está em análise pelo governo e vem sendo discutida com parlamentares da base para dar fôlego ao pagamento do auxílio A criação de um "imposto emergencial e temporário" começou a ser estudada para arrecadar recursos para a concessão de uma nova rodada do auxílio emergencial com o agravamento da pandemia. A ideia está em......

Voltar para Notícias

Nós utilizamos Cookies para trazer uma experiência mais relevante nas suas navegações. Para saber mais acesse nossa Política de Privacidade.